Caso não consiga visualizar corretamente esse e-mail, copie e cole o link em seu navegador:
http://www.glassecviracon.com.br/bv/77/index.html
GlassecViracon Janeiro 2020 - EDIÇÃO Nº 77  
Boletim do Vidro
 
 
DESTAQUE DO MÊS
 
Sandra Pinheiro     O papel do vidro na
eficiência energética


As estratégias de racionalização do uso de energia em edificações têm se aprimorado com rapidez, impulsionadas por estudos que demonstram os benefícios sociais, ambientais e econômicos de sua implantação e por diferentes modalidades de certificações.
 
Para falar sobre vidros e desempenho energético, o Boletim do Vidro convidou a arquiteta Sandra Pinheiro, sócia-diretora da Petinelli Consultoria em Sustentabilidade e membro do Green Building Council. A Petinelli prestou consultoria para o edifício comercial Eurobusiness e para o residencial EOS Barigui, ambos localizados em Curitiba e que contam com as soluções em vidros de alto desempenho da GlassecViracon em suas fachadas.
 
 
EUROBUSINESS
Perguntada sobre a contribuição dos vidros aplicados nas fachadas para a redução do consumo de energia do Eurobusiness, Sandra Pinheiro explica que “devido à área extensa de fachada orientada para o leste/oeste, houve um aprofundado estudo de viabilidade técnica e econômica em conjunto com a arquitetura, em que cada proposta de fechamento (alvenaria, vidro) foi avaliada através de simulação energética com o objetivo de alcançar a melhor relação custo-benefício – neste caso, eficiência energética e conforto”. Segundo a arquiteta, “a opção que melhor atendeu a essa relação foi o laminado de controle solar, participando da redução de consumo em torno de 48% e ainda permitindo uma visão farta da paisagem exuberante do entorno.”
    Eurobusiness
 
Com certificação Leed Platinum, o Eurobusiness é também o 1º Leed Zero água do mundo. O vidro especificado (GA 119C) tem transmissão luminosa de 29% e fator solar de 0,29.
 
 
 
EOS BARIGUI

Segundo Pinheiro, “os fatores condicionantes para o EOS eram o conceito de amplos panos de vidro, voltados para o parque Barigui, e o conforto térmico e visual dos moradores, uma exigência da construtora. A questão do conforto está intrinsicamente atrelada à carga térmica nos ambientes, tanto gerada internamente quanto advinda da exposição ao calor e insolação externa”.

“Nesse empreendimento foi realizado um estudo de viabilidade técnica e econômica para assegurar o conforto ambiental natural, reduzindo as horas de ‘desconforto’, ou seja, quando o morador seria obrigado a acionar o condicionamento de ar, mesmo que eficiente”, continua a arquiteta. “Foram estudadas as fontes de calor internas, várias composições de vidro e desempenho para cada fachada e ambiente, assim como a massa de alvenaria, tendo sido selecionados vidros insulados e laminados de controle solar low-e na fachada principal.”
 
EOS Barigui     O EOS Barigui obteve uma diminuição de 29% de carga térmica e uma economia anual em energia de 25%. Questionada sobre como esse resultado foi alcançado, a especialista foi didática.

“A escolha criteriosa dos vidros, comparados através de simulação energética, permitiu não só atingir o objetivo de conforto para os usuários, como reduzir custos de energia. Isso se deve ao fato de que, diminuindo-se a carga térmica interna, reduz-se o tempo de uso e a capacidade do ar-condicionado necessária, derrubando o consumo de energia para a sua operação.”
 
 
 
BENEFÍCIOS FINANCEIROS
E como estaria a atual percepção dos benefícios financeiros de uma construção sustentável por parte de investidores e proprietários? “Hoje, com vários cases de sucesso e em operação, sendo os resultados medidos e comparados, conseguimos demonstrar a nossos clientes que os benefícios são reais, viáveis e exequíveis técnica e financeiramente”, declara a arquiteta. “Para proprietários, o entendimento e aceitação são mais rápidos, já que ficam diretamente com as economias e resultados de conforto esperados, principalmente na operação.”
 
“Já os investidores têm sido pressionados pelas demandas globais de responsabilidade ambiental institucional e estimulados pelos fundos de investimentos ranqueados pela certificação GRESBE, que valoriza as carteiras de investimentos ‘verdes’. Outro fator é o benefício de posicionamento institucional no mercado atrelado ao compromisso de atingir as metas globais da COP 21, ODS [Conferência do Clima e Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ambos ligados às Nações Unidas] e outros organismos ambientais.”
    Dados Eurobusiness
 
VIDROS E CERTIFICAÇÃO WELL
Um aspecto que Sandra Pinheiro fez questão de abordar diz respeito a Well Building Certification, considerada a primeira certificação em nível mundial voltada à saúde e bem-estar. “O setor hospitalar foi o primeiro a identificar a importância do ambiente e da biofilia para a restauração da saúde dos pacientes. No entanto, as evidências baseadas somente em pesquisas não eram suficientes para viabilizar sua adoção por outros setores, como o corporativo”, explica a arquiteta.

“Com o advento de novas ferramentas e tecnologias de medição de desempenho, surge a certificação Well, que tem foco na qualidade ambiental para o usuário e preconiza como um dos pilares para seu bem-estar físico e mental a ampla visão externa da natureza, seja de plantas ou simplesmente acesso à iluminação, ventilação naturais e outros elementos, como água em fontes, por exemplo”, continua. “E tão importante quanto o conceito arquitetônico para promover essa integração, está a especificação correta do desempenho do vidro, com a máxima eficiência, transparência e fidelidade de cor necessárias”, conclui a especialista em sustentabilidade.
 
  Site Facebook YouTube Linkedin E-mail GV   Imprimir VERSÃO PARA IMPRESSÃO
PUBLICADO POR GLASSECVIRACON • DIRETORIA DE MARKETING: Claudia Mitne • APOIO: Filomena Florêncio Sousa
DIAGRAMAÇÃO: Arbore Editoração • CONTEÚDO: Auris Produções e Comunicações • JORNALISTA RESPONSÁVEL: Silvana Afram (MTb 14.950)
Para que sua mensagem não caia na caixa de SPAM, adicione contato@glassecviracon.com.br à sua lista de contatos.